27 de jul de 2009

Always

Até que ponto a gente sabe que tomou a decisão correta?
Quando a gente tem a resposta de que escolheu o caminho certo?
A dor, o desespero e a impotência de ver alguém indo embora, pra talvez nunca mais voltar, é indescritível.

Ver alguém que se ama te dizendo "tchau", dói no fundo da alma.
Por saber que pode ser pra sempre, por saber que nem tudo o que se faz é certo, por ter dúvidas, por estar confuso, por ter mais amor no peito do que gostaria.

Nunca se sabe a hora certa de parar, de dizer chega, de dar um basta.
Existem mil vozes a soar na nossa volta, o coração, a consciência, a razão, a emoção, o perdão, a sabedoria, e nós temos que saber conciliá-las pra fazer um bom uso.
Mas e quando isso não acontece?
E quando a gente acaba ouvindo uma das vozes apenas?
Ou quando ouvimos uma voz agora, e logo mais tarde outra, e daqui algumas horas outra voz te faz mais sentido?

Agir pensando no melhor caminho a ser seguido, é sempre o melhor a se fazer, mas nem sempre é o melhor pra gente.
E só temos a certeza de tudo, com o bendito, ou maldito tempo.

E o que fazer quando se tem 50% da certeza do ter feito o certo?
E existe o certo?
Quem determina o que é certo?

Sou eu.
Única e exclusivamente eu.
E devo arcar com as minhas escolhas. Elas foram tomadas em algum momento, e me pareceram ser verídicas.

Ás vezes eu me vejo como um eterno ponto de interrogação, um paradoxo, uma questão, algo que alguém criou e não colocou um ponto final.
E não sei até que ponto isso é louvável, como não sei até que ponto isso influencia nas atitudes de quem me rodeia.

Será que tem volta?
Existe um caminho de volta?

Eu tenho ideias, e as mudo quando acho conveniente.
E só não as muda, quem não as tem.

9 de jul de 2009

Agora

"Eu quis tanto ser a tua paz, quis tanto que você fosse o meu encontro. Quis tanto dar, tanto receber. Quis precisar, sem exigências. E sem solicitações, aceitar o que me era dado. Sem ir além, compreende? Não queria pedir mais do que você tinha, assim como eu não daria mais do que dispunha, por limitação humana. Mas o que tinha, era seu"

Caio Fernando Abreu.

5 de jul de 2009

Teatro dos Vampiros



Sempre precisei
De um pouco de atenção
Acho que não sei quem sou
Só sei do que não gosto
Nesses dias tão estranhos
Fica a poeira se escondendo pelos cantos

Esse é o nosso mundo
O que é demais nunca é o bastante
A primeira vez
Sempre a última chance
Ninguém vê onde chegamos
Os assassinos estão livres
Nós não estamos

Vamos sair
Mas não temos mais dinheiro
Os meus amigos todos estão
Procurando emprego
Voltamos a viver
Como há dez anos atrás
E a cada hora que passa envelhecemos dez semanas
Vamos lá tudo bem
Eu só quero me divertir
Esquecer desta noite
Ter um lugar legal pra ir
Já entregamos o alvo e a artilharia
Comparamos nossas vidas
Esperamos que um dia nossas vidas possam se encontrar

Quando me vi tendo de viver
Comigo apenas e com o mundo
Você me veio como um sonho bom
E me assustei
Não sou perfeito
Eu não esqueço
A riqueza que nós temos
Ninguém consegue perceber
E de pensar nisso tudo
Eu, homem feito
Tive medo e não consegui dormir
Vamos sair
Mas estamos sem dinheiro
Os meus amigos todos estão
Procurando emprego
Voltamos a viver
Como há dez anos atrás
E a cada hora que passa envelhecemos dez semanas
Vamos lá tudo bem
Eu só quero me divertir
Esquecer desta noite
Ter um lugar legal pra ir
Já entregamos o alvo e a artilharia
Comparamos nossas vidas
E mesmo assim
Não tenho pena de ninguém.


(Legião Urbana)